sábado, 29 de dezembro de 2012

Siga Confiante




Observar o ser humano em sua totalidade, essa é minha atividade predileta e necessária para que eu possa da melhor forma ajudar quem procura as terapias. Bom, você já parou e observou sua vida? Se o fizer vai descobrir coisas maravilhosas a seu respeito e também o por quê de muita coisa não dar certo. Gente tenho respeito e admiração por todo caminho que leva a conscientização do ser humano, resgatando e relembrando sua divindade. Todo caminho verdadeiramente espiritual é suave e simples, lembre-se desse dois "S"; Suave e Simples!. Uma manifestação de um mestre é sempre amorosa, simples mas é direta, como um pai firme que ama mas não julga. Um mestre tem a percepção de toda sua vida, ele analisa tudo que você pede e chega a conclusão se, aquilo será realmente útil à sua existência. Uma vez visto que sim, ele não te dá o que pediu...Isso mesmo! Jamais ele se responsabilizará em te dar algo pronto , pois isso só faria seres humanos fracos. Ele te prepara para que consiga o que quer, te fortalece, te ajuda a tornar-se hábil, lúcido, forte e amoroso.
Esse amor nada tem a ver com esse amor que costumeiramente nos deparamos, que na verdade pode ser mais uma posse, uma vontade de tornar o outro como você quer, tornar a vida como você pensa (Ixi como você pensa...com essa sua cabeça?? ahh deixa pra lá rsrs); é um amor de estar em tudo e em todos, mas nada nem ninguem está em você, uma vacuidade! Um sentimento de gratidão, que abre seu coração sem medo, sem feridas mas com força, alegria, satisfação e certeza de que tudo está a seu favor. Tudo contribui para o seu melhor.
Então seja confiante, sereno, tenha paciência, cultive a paz interior, a prática que lhe agrade e que possas ser pleno nela. Não há necessidade de mostrar caminho algum às pessoas, seja você o caminho para a liberdade do Ser, do bem viver, do bem sentir.

Um abraço, e até uma próxima! Um feliz 2013, com muitas realizações e felicidades a todos.


Anderson Clayton

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Oração do Mestre Lanto

Em nome do Todo-Poderoso,
Eu me levanto para desafiar a Noite,
Para erguer a Luz,
Para ser um foco da consciência de Gautama Buda!
EU SOU  a chama do lótus de mil pétalas!
E venho levá-la em seu nome!
Firme na vida nesta hora,
Estou de pé, empunhando o cetro de Crístico Poder,
Para lutar contra as trevas,
Para fazer brilhar a Luz,
Para trazer de alturas estelares,
A consciência de anjos,
Mestres, Elohim, centros solares,
E de toda a Vida
Que é a Presença do EU SOU de cada um!

       

Reivindico a Vitória em nome de Deus.
Reivindico a Luz da Chama Solar.
Reivindico a Luz! EU SOU a Luz!
EU SOU a VITÓRIA! EU SOU a VITÓRIA!
Da Mãe Divina e da Divina Criança,
E a vitória que exalta a coroa da vida e dos doze focos estelares que se regozijam
De ver a Salvação do Nosso deus bem dentro da minha coroa,
Em Pleno centro do Sol de Alfa.
Está Feito!

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Aprenda a ser confiante e seja feliz




É importante compreender que existem coisas na vida que são incontroláveis. Vamos supor que você tenha um problema que não consegue resolver. De repente, se vê num estado de medo, impotência e estresse. Nessa hora, o melhor caminho é relaxar e jogar essa sua questão nas mãos da luz. Infinita, ela proporcionará uma solução. Basta confiar na luz e sua vida com certeza fluirá.
Não adianta se preocupar nem ficar querendo controlar a tudo e a todos. Aliás, querer controlar a vida é um dos grandes erros da humanidade. Nada e nem ninguém é controlável, mas a gente resiste a essa ideia. Muitos pais tentam controlar os filhos. À medida que crescem, eles começam a mentir, enganar. Ou seja, se fecham como forma de defesa, e se afastam.
Você já reparou na diferença entre querer controlar e influenciar? Influenciar é uma proposta mais aberta, menos invasiva, que consiste em passar determinados valores sem aquela conduta doentia de querer ordenar.
Diante de imposições, qualquer um se sente reprimido, sem luz e alma para agir com liberdade. Controlar é um conceito que não funciona na educação, e muito menos no convívio. Observe o casamento. Quando o marido ou a mulher tentam dominar um ao outro, o amor vai embora e os dois se afastam. A mesma coisa posso dizer em relação ao apego. Se você é apegada, não tem luz. Volto a dizer: ninguém é de ninguém.
Gostar não é prender, é soltar. Naturalmente a gente procura pessoas que nos deixam à vontade. Chega a ser interessante: você deixa o indivíduo tão confortável, porque não quer dominá–lo, e ele se sente tão bem que a procura. Ele gosta de você sem esforço. A grande conquista é estar em si, na própria luz. Assim, o amor, o carinho e o bem vêm.
Aprendi a não me envolver com as pessoas e os ambientes. Se você gosta de alguém, não pode se envolver a ponto de sofrer com os problemas dessa pessoa. Não preciso passar por uma coisa ruim para ajudá-la. Isso não é inteligente! Em vez disso, jogo luz na pessoa. A alma dela é que vai identificar o melhor caminho a seguir. Para que tentar controlar uma situação que não me pertence? A luz fala por si! Confie e se entregue a ela e tudo funcionará ao seu redor.


Luiz Gasparetto

Boas Festas!!


sábado, 8 de dezembro de 2012

O som do Coração





Amor Curativo

Nesse trabalho são realizados cortes de cordões energéticos nocivos, padrões limitantes, quebra de contratos. Todo trabalho é amparados por seres Iluminados que realizam o procedimento e cura necessária ao cliente. O tratamento é realizado em vários níveis dos corpos físico e energéticos, é feita uma abertura onde são trabalhadas faixas de passado, couraças, bloqueios, situações familiares e conjugais. Um trabalho feito com muito amor, responsabilidade e benção espiritual.

Duração: 1h 

Terapeuta Anderson Clayton

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

As 37 Práticas de todos os Bodhisattvas




De Gyalsé Thokmé Zangpo 

O Mestre vê todas as coisas que estão além do vai e vem,
E mesmo assim luta incansavelmente para o bem dos seres vivos –
Meu precioso guru inseparável do Senhor Avalokita,
Com respeito eu vos presto homenagem perpétua, com o meu corpo, palavra e mente.

Os perfeitos budas, que são a fonte de todo o beneficio e alegria,
Aparecem como seres através da realização do Dharma sagrado.
E isso depende de saber como praticar o Dharma,
Eu vou descrever as práticas de todos os herdeiros legítimos dos budas.

1. A prática de todos os Bodhisattvas é estudar, refletir e meditar.
Incansável, tanto de dia como de noite, sem nunca cair na ociosidade,
para libertar a si e aos outros deste oceano do samsara,
Tendo ganho este supremo vaso corporal  - uma vida humana favorável e livre, que é tão difícil de encontrar.

2. A prática de todos os Bodhisattvas é deixar para trás a sua terra natal,
onde o apego à família e aos amigos nos subjuga como uma enxurrada,
enquanto a aversão aos nossos inimigos nos rói interiormente como um fogo escarlate,
e a escuridão ilusória nos eclipsa, ou seja, torna incompreensível a linha de conduta que devemos seguir e o que deixar para trás.

3. A prática de todos os Bodhisattvas é ir regularmente a lugares solitários,
evitando o que não é saudável, para que as emoções destrutivas gradualmente desapareçam e, na ausência de distrações, a prática virtuosa naturalmente se fortalece, avançando rapidamente. Com a consciência atenta e focalizada, adquirimos convicção nos ensinamentos.

4. A prática de todos os Bodhisattvas é renunciar a todas as preocupações da vida.
Durante muito tempo fizemos amizades e relacionamentos com familiares, e
agora todos nós temos que seguir caminhos separados;
Riquezas e bens tão penosamente adquiridos, devem ser deixados para trás;
E a consciência, a convidada que mora no nosso corpo, também um dia deve partir.

5. A prática de todos os Bodhisattvas é evitar amigos destrutivos,
na companhia dos quais os três venenos da mente ficam mais fortes.
E por causa deles cada vez estudamos, refletimos e meditamos menos,
e tanto o amor como a compaixão esmorecem, até se extinguirem.

6. A prática de todos os Bodhisattvas é estimar os amigos espirituais,[2]
pensando neles como ainda mais preciosos que o próprio corpo.
Pois são eles que nos ajudam a nos livrar de todos os defeitos,
e que fazem com que as nossas virtudes cresçam ainda mais,
tal como a lua crescente.

7. A prática de todos os Bodhisattvas é tomar refugio nas Três Jóias,
pois elas nunca deixam sem resposta os protegidos que a elas apelam.
Os deuses comuns do mundo não podem ajudar ninguém
enquanto eles próprios estiverem na armadilha
do ciclo vicioso do samsara, não é assim?

8. A prática de todos os Bodhisattvas é nunca cometer um ato prejudicial,
mesmo que isso ponha a sua própria vida em risco,
pois o próprio Sábio ensinou que as ações negativas
quando chega a hora nos levam às múltiplas misérias dos mundos inferiores,
tão difíceis de suportar.

9. A prática de todos os Bodhisattvas é lutar para atingir o seu objetivo,
que é o estado supremo imutável, a libertação eterna,
pois a felicidade dos três reinos dura um só momento,
e logo vai embora, tal como gotas de orvalho em colinas de ervas.

10. A prática de todos os Bodhisattvas é desenvolver o bodhicitta,
assim como proporcionar a liberdade a todos os infinitos seres sensíveis.
Como seria possível encontrar a verdadeira felicidade enquanto
as nossas mães que cuidaram de nós através dos tempo, carregam uma dor?

11. A prática de todos os Bodhisattvas é fazer uma troca genuína
da felicidade pessoal e bem estar por todos os sofrimentos dos outros.
Toda a miséria vem da procura da felicidade pessoal só para si,
enquanto o estado de buda perfeito nasce do desejo do bem dos outros.

12. Mesmo se outros, sob a influência de um grande desejo, roubarem,
ou encorajarem os outros a roubar todas as riquezas que tenho,
dedicar-lhes totalmente o meu corpo, bens e todos os meus méritos
do passado, presente, e futuro – esta é a prática de todos os Bodhisattvas.

13. Mesmo que os outros queiram cortar a minha cabeça,
embora eu nada tenha feito de mal,
tomar sobre mim, com compaixão,
todos os males que eles acumularam – esta é a prática de todos os Bodhisattvas.

14. Mesmo que os outros declarem a toda gente
montes de coisas desagradáveis sobre mim,
retribuir-lhes, falando somente bem deles,
com uma mente cheia de amor – esta é a prática de todos os Bodhisattvas.

15. Mesmo que os outros exponham os meus erros escondidos
ou digam horrores sobre mim, quando discursam em grandes conferências,
pensar neles como amigos espirituais e  inclinar-se
ante eles com respeito – esta é a prática de todos os Bodhisattvas.


16. Mesmo que os outros, de quem cuidamos como se fossem filhos,
se voltem contra mim e me tratem como inimigo,
olhá-los com dedicação e afeto, tal como uma mãe olha o seu filho mal-humorado – esta é a prática de todos os Bodhisattvas.

17. Mesmo se outros, iguais ou inferiores a mim em intelecto, nível espiritual ou riqueza
com arrogância, me desprezam, para os homenagear, tal como o faria ao meu mestre,
inclino a minha cabeça perante eles – esta é a prática de todos os Bodhisattvas.

18. Mesmo sendo desamparado e ignorado por todos,
fraco devido a uma terrível doença e importunado por espíritos malignos, ainda assim
tomar sobre mim todas as doenças de todos os seres e ações nefastas, sem nunca perder a bondade do meu coração – esta é a prática de todos os Bodhisattvas.

19. Mesmo sendo famoso e reverenciado por todos,
e tão rico como Vaishravana, o deus da riqueza.
Ciente da futilidade de toda a glória e riquezas deste mundo,
não ser vaidoso – esta é a prática de todos os Bodhisattvas.

20. A prática de todos os Bodhisattvas é controlar a mente,
com as forças do amor generoso e da compaixão.
Pois, a não ser que o adversário real – a minha própria ira – seja derrotada,
Os inimigos exteriores, mesmo que os conquiste, voltarão a aparecer.

21. A prática de todos os Bodhisattvas é afastar-se imediatamente
das coisas que levam ao desejo e ao apego.
Pois os prazeres dos sentidos são tal e qual a água salgada:
Quanto mais os provamos, mais a nossa sede aumenta.

22. A prática de todos os Bodhisattvas é nunca alimentar conceitos,
que envolvam as noções dualistas de perceber e ser percebido,
sabendo que todas estas aparências são a própria mente,
cuja natureza intrínseca está para sempre
além das limitações das idéias.

23. A prática de todos os Bodhisattvas é não se agarrar a nada
E quando vê coisas que considera agradáveis ou desagradáveis,
Deve considerá-las como um arco-íris no céu de verão –
bonito na aparência, mas na verdade desprovido de qualquer substância.

24. A prática de todos os Bodhisattvas é reconhecer a ilusão,
sejam eles confrontados com a adversidade ou infortúnio.
E como esses sofrimentos são como a morte de uma criança num sonho,
é tão cansativo agarrar-se às percepções ilusórias tendo-as como reais.


25. A prática de todos os Bodhisattvas é ser generoso,
sem esperanças de recompensas cármicas ou expectativas de prêmios.
Pois se aqueles que buscam a iluminação até dão os seus próprios corpos,
será necessário mencionar simples objetos e bens exteriores?

26. A prática de todos os Bodhisattvas é respeitar uma ética restritiva,
sem a mínima intenção de continuar na existência samsárica.
Sem disciplina ninguém jamais terá certeza do próprio bem estar,
E assim qualquer pensamento de beneficiar os outros será absurdo.

27. A prática de todos os Bodhisattvas é cultivar a paciência,
livre de qualquer traço de animosidade contra alguém.
Qualquer fonte de mal é como um tesouro principesco
para o bodhisattva que deseja ardentemente usufruir da riqueza da virtude.

28. A prática de todos os Bodhisattvas é lutar com diligente entusiasmo –
a fonte de todas as qualidades – quando trabalham para o bem de todos os que vivem;
vendo que mesmo os shravakas e pratyekaBuddhas, que só se esforçam para eles próprios – dedicam a ele todos os seus esforços, como se urgentemente tentassem extinguir fogos por cima das suas cabeças.

29. A prática de todos os Bodhisattvas é cultivar a concentração,
que transcende superiormente as quatro absorções sem forma,
sabendo que as aflições mentais são ultrapassadas inteiramente
ao alcançar com esforço uma  intuição interior, acompanhada por uma calma estável.

30. A prática de todos os Bodhisattvas é cultivar a sabedoria,
para além das três esferas conceituais, aliadas aos meios hábeis.
Não é possível atingir o nível perfeito do despertar só através
das outras cinco paramitas, sem a sabedoria.

31. A prática de todos os Bodhisattvas é examinar-se
continuamente e livrar-se dos defeitos, tão logo apareçam.
Pois a não ser que façamos a checagem cuidadosa da nossa própria confusão,
alguém que parece mostrar que pratica o Dharma na verdade opera contra ele.

32. A prática de todos os Bodhisattvas é nunca falar desfavoravelmente
dos que caminham no grande veículo,
pois se, sobre a influência das emoções destrutivas,
eu falar das quedas dos outros Bodhisattvas, o erro será meu.

33. A prática de todos os Bodhisattvas é abandonar o apego
aos patronos, à família e amigos,
pois o estudo, a reflexão e a meditação diminuem
quando discussões e competições por honras e recompensas aparecem.


34. A prática de todos os Bodhisattvas  é evitar palavras duras,
que possam ser consideradas desagradáveis e detestáveis pelos outros,
porque a linguagem ordinária perturba a mente dos seres,
e arruina a conduta do bodhisattva.

35. A prática de todos os Bodhisattvas é eliminar o apego
e todas as outras aflições mentais, tão logo apareçam,
tomando como armas os remédios apoiados na atenção plena e na vigilância
pois uma vez que as kleshas se tornam familiares, são difíceis de evitar.

36. Resumindo, para qualquer coisa que façamos,
examinemos sempre a consciência da nossa mente,
sempre em estado de alerta e com atenção plena,
fazer o bem aos outros – esta é a prática de todos os Bodhisattvas.

37. A prática de todos os Bodhisattvas é dedicar-se a atingir o despertar.
Toda a virtude ganha ao esforçar-se nesse caminho,
com a sabedoria que purifica as três esferas conceptuais,
pode assim fazer desaparecer o sofrimento dos seres infinitos.

Aqui expus para aqueles que querem seguir o caminho do bodhisattva,
As 37 práticas que devem ser adotadas pelos herdeiros legitimos dos budas,
baseado nos ensinamentos dos sutras, tantras, e tratados,
E seguindo as instruções dos grandes mestres do passado.

Como a minha inteligência é pouca e pouco estudos fiz,
Este não é um texto que vá satisfazer os entendidos
Mas como confiei nos sutras e no que os santos ensinaram,
eu sinto que verdadeiramente estes são os treinos autênticos
dos herdeiros legítimos dos budas.

Mas as ondas enormes da atividade dos Bodhisattvas
São difíceis de apreender para a mente de uma pessoa simples como eu
E assim imploro a compreensão de todos os santos perfeitos
Por qualquer contradição, irrelevâncias ou outras falhas nele contidas.

Através do mérito que ganhei, possam todos os seres
gerar o sublime bodhichitta, tanto relativo como absoluto,
E através disso, tornarem-se iguais ao Senhor Avalokiteshvara,
Transcendendo os extremos da existência e da imobilidade.

Este texto foi composto numa caverna perto de Ngulchu Rinchen pelo monge Thokmé, um professor em escrituras sagradas e dialética, para o bem dos outros e seu.

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Cuide do seu Relacionamento






Vamos ver um exemplo de como o astral influencia nos relacionamentos. A mulher está em casa tranqüila e de repente sem mais nem menos se sente irritada. Passa um tempo e em seguida o marido chega. Irritado. O que aconteceu? A energia negativa dele já tinha chegado antes e atingido a mulher dele. Só que ela não tem conhecimento dessa influência astral e acaba entrando na dele e eles brigam. Mais tarde mantém relações sexuais e é claro de péssima qualidade, com aquela energia o que poderá acontecer? E aí já começa a cair a qualidade do relacionamento. Porque ela não percebe que é a energia dele que não estava boa e começa a pensar que é o amor que está acabando. E na terceira tentativa de se relacionar começa a ter certeza que o amor acabou. E vai indo e vai indo que ela pede a separação, porque “não existe mais amor”. O homem é diferente, ele sente que não está bem em casa e vai fora procurar outros relacionamentos, mas não quer largar o lar, quer manter. E poderia ser tudo diferente se desde o começo eles tivessem percebido que eram as energias que não estavam boas. Se naquele 1o. dia em que ele chegou irritado ela tivesse conhecimento dessas influências astrais, parado e conversado com ele sobre isso, poderia ter sido tudo de outra maneira. Teriam conversado sobre de onde vinha aquela irritação, resolvido e ficado numa boa, não teriam entrado nesse engano Por isso é tão importante ter disciplina e estar sempre atento às influências que vem de fora. Nos relacionamentos é muito importante a gente observar essas ocorrências, por exemplo, no caso da mulher sentir antes da chegada do marido uma irritação, em quando ele chega, já entra nervoso, é recomendável que ela vá diretamente perguntar a ele sobre se houve algum problema e conversar. Ele vai aceitar esse tipo de abordagem e isso vai ser saudável para o relacionamento a dois. É uma situação energética que dá para resolver.

#Luiz Gasparetto

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

COMPAIXÃO PARA COM TODOS OS SERES VIVOS



Certa vez o Mestre observava um rebanho de carneiros que avançava lentamente conduzido pelos pastores. Chamou-lhe a atenção uma ovelha com dois cordeirinhos, sendo que um deles, ferido, caminhava penosamente. Buda tomou o cordeirinho ferido em seus braços e exclamou:
- Pobre mãe, tranqüiliza-te. Para onde fores, levarei teu querido filhote. - E pensou: "É
preferível impedir que sofra um animal, a permanecer sentado nas cavernas contemplando os males do universo." Sabendo pelos pastores que, por ordem do rei, o rebanho seria levado, à noite, para o sacrifício e imolado em honra aos seus deuses, Buda então falou: - Quero ir convosco. - E os seguiu pacientemente, carregando o cordeirinho nos braços. Chegando à sala dos holocaustos, observou os brâmanes recitando mantras e avivando o fogo que crepitava no altar. Um dos sacerdotes, apoiando a faca no pescoço estirado de uma cabra de grandes chifres, exclamou: - Eis aí, ó deuses, o princípio dos holocaustos oferecidos pelo rei Bimbisara. Regozijai-vos vendo correr o sangue e gozai com a fumaça da carne tostada nas chamas ardentes; fazei com que os pecados do rei sejam transferidos a esta cabra e que o fogo os consuma ao queimá-la; vou dar o golpe fatal. Aproximando-se, Buda disse docemente: - Não a deixeis ferir, ó grande rei! - E ao mesmo tempo desatou os laços da vítima, sem que ninguém o detivesse, tão imponente era seu aspecto. Então, depois de haver pedido permissão, falou da vida que todos podem tirar, mas ninguém pode dar; da vida que todas as criaturas amam e pela qual lutam; a vida, esse dom maravilhoso e caro a todos, mesmo aos mais humildes; um dom precioso para todas as criaturas que sentem piedade, porque a piedade faz o homem doce para com os débeis e nobre para com os fortes. Emprestou às mudas bocas do seu rebanho palavras enternecedoras para defender sua causa; demonstrou que o homem que implora a clemência dos deuses não tem misericórdia, ele que é como um deus para os animais; fez ver que tudo o que tem vida está unido por um laço de parentesco; que os animais que matamos nos deram o doce tributo do seu leite e de sua lã e colocaram sua confiança nas mãos dos que os degolam.  E acrescentou:
- Ninguém pode purificar com sangue sua mente; se os deuses são bons, não podem
comprazer-se com o sangue derramado; e se são maus, não podem lançar sobre um pobre animal amarrado o peso de um cabelo dos pecados e erros pelos quais se deve responder pessoalmente. Cada um deve dar conta de si mesmo, segundo esta aritmética invariável do universo, dando a cada um sua medida segundo seus atos, suas palavras e seus pensamentos; esta lei exata, implacável e imutável vigia eternamente e faz com que todos os futuros sejam frutos do passado.
Falou assim, com palavras tão misericordiosas e com tal dignidade, inspirado pela compaixão e justiça, que os sacerdotes se despojaram dos seus ornamentos e lavaram suas mãos vermelhas de sangue. E o rei, aproximando-se, saudou o Buda com as mãos juntas.


Budismo - Psicologia do Autoconhecimento

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

O Buda Disse





“Minha Doutrina implica o pensar que está além do pensamento; Executar aquilo que está além da execução; Falar de aquilo que está além das palavras; Praticar aquilo que está além da prática” “Aqueles que podem chegam a isto progridem, no entanto os estúpidos voltam. A Via que pode expressar-se em palavras é pequena; nada há que possa ser apreendido. Se estais equivocado por tão pouco como a milésima parte de um cabelo, num instante perdereis o Caminho”

Do Sutra de 42 Partes.

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Você é luz!


TODOS BUDAS



- por Wagner Borges -

Quando o coração se encontra, tudo vira canção.
Tudo muda na Luz.
Morre o egoísmo e surgem milhares de lótus florescendo.
E dentro de suas pétalas estão muitas crianças sorridentes.
São Crianças-Buda, mestres da paz.
Os seus olhos brilham como diamantes.

E elas também são mestres da canção.
Para alegrar o coração desperto, elas cantam a jóia no lótus:
“Om Mani Padme Hum, Om Mani Padme Hum, Om Mani Padme Hum...”
Contentes, elas falam daquela Luz que é consciência pacífica e que mora nos corações. Juntas, elas cantam:
“Mãos nas mãos, coração no coração,
Homens e mulheres, crianças e velhos,
Brancos e negros, amarelos e vermelhos,
Deuses, homens e espíritos,
Todos Budas... Todos Budas... Todos Budas!”
Quando o coração se encontra, torna-se Buda.
Então, sua Luz jorra nas dez direções, para todos os seres.
Quando o coração se encontra, se encanta!
Por isso as Crianças-Buda vêm e cantam comele.
Quando o coração se encontra, os olhos brilham muito e irradiam a plenitude de quem renasceu na Luz.
Então, fala de mãos nas mãos e de coração no coração, juntos, na mesma canção.
Na Luz do despertar da consciência, ele canta com as Crianças-Buda:
“Om Mani Padme Hum, Om Mani Padme Hum, Om Mani Padme Hum...”

- WagnerBorges – pequeno coração nas ondas de um Grande Amor.
Salvador, 31 de janeiro de 2007.

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Luiz Gasparetto


Ilumine o seu próprio caminho



Procure um local tranquilo, feche os olhos e relaxe. Imagine sua aura, esse campo de energia que existe em volta de você. O que lhe aparece? Algumas pessoas enxergam cores, outras veem locais por onde passaram, imagens de amigos com os quais se preocupam muito, manchas ou até pensamentos. Tem muita coisa ao seu redor? Pois é, como nos envolvemos com muitas situações e pessoas diferentes, acabamos carregando o mundo nas costas.
Vamos, agora, fazer uma limpeza. Imagine que uma força aí dentro começa a empurrar para fora todo o peso que sua aura carrega. Diga: “Eu deixo tudo isso ir embora. Solto os outros, o que se passou, minhas emoções, vontades, lembranças”. Vá esvaziando sua aura e entregue-se a esse vazio. Imagine uma luz dentro do peito. Ela se acende, se espalha por todo o seu corpo e ilumina sua aura, que agora está limpa. É como se você não tivesse que pensar nem fazer nada. A partir de agora, a luz faz TUDO por você. E então, como se sente? Um certo entusiasmo e uma alegria começam a brotar, certo? Repare bem: você está ficando até mais disposta. Que bom se pudéssemos estar assim todos os dias, todas as horas! Pois é, leitora. Tenho a certeza de que já se sentiu assim na vida. São aqueles dias em que você acorda e já se sente iluminada, alegre, poderosa e confiante. E tudo corre às mil maravilhas.
Atenção: é importante entender que a luz está dentro de você – e de todos nós! Mas suas atitudes é que vão mantê-la acesa ou não. Se você estiver insegura, com medo e sempre pensando na causa e no efeito para agir, dificilmente verá a luz se acender. Do contrário, se estiver entusiasmada e confiante nos próprios objetivos, a luz brilhará, iluminando seus caminhos.
A insegura e medrosa tem ideias rígidas, não admite mudanças. Passa o dia envolvida com preocupações, quer controlar as pessoas ao seu redor e até o próprio futuro, se for possível. Isso não faz sentido! Quem é confiante, por sua vez, é contemplada com criatividade, iniciativa e prosperidade. Ela confia no poder da luz. E, com essa postura, não dá outra: a vida flui simplesmente.
Você tem luz!!! Absorva essa ideia e prepare-se para manter sua chama sempre acesa

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Mantras

O poder dos Mantras

Como vimos no texto anterior sobre o poder da energia espiritual, podemos não definir exatamente o que ela seja, mas intuitivamente todos nós sabemos que necessitamos dela. Afinal, quem não quer sentir paz e comunhão com o mundo à sua volta?

Aliás, outro dia, ao perguntar a um paciente se ele já havia sentido estar em comunhão com a natureza, ele me disse: Não tenho a menor idéia do que você está falando. Rimos juntos. Mas, ao aprofundar a conversa, concluímos o quanto a nossa mente inquieta e perturbada pelos afazeres do cotidiano nos impede de simplesmente relaxar e sentir bem-estar onde quer que estejamos.

Estamos cansados de sentir o peso de nossas preocupações, dúvidas e angústias. Queremos sentir a leveza de uma mente saudável!
Para tanto, precisamos nos deixar tocar pela força da energia positiva sutil, pois ela age como um bálsamo curativo sobre nossa mente cansada.

Podemos nos nutrir de energia espiritual por meio dos mantras: na qualidade energética dos sons sagrados. Na meditação budista, trabalhamos mais com sons e imagens do que com o conceito das palavras. É que as palavras estimulam a mente conceitual e os sons e as imagens tocam a mente. Assim como Lama Gangchen costuma nos dizer: Nossa mente é muito `dura´. Por isso ela precisa ser massageada com os mantras, para dissolver a sua rigidez e os seus bloqueios.

A palavra sânscrita mantra é formada de duas sílabas: MAN que significa mente, e TRA, proteger. O seu significado é, portanto, proteger a mente.

O poder sutil das palavras recitadas num mantra é uma qualidade abstrata que só pode ser observada por meio de seus efeitos. Neste sentido, o mantra age como que num plano secreto, pois seu poder está além das imagens e das palavras.

A força secreta do mantra depende de algumas condições. Como por exemplo, se o praticante recebeu ou não a transmissão oral deste mantra por um mestre que tenha realizado o poder sutil do mesmo.

Na tradição budista tibetana, a transmissão oral é muito importante. Pois é por meio dela que o praticante irá receber a transferência de poder para praticar o mantra. Isto é, o mestre irá ativar a força secreta do mantra para o discípulo poder praticá-lo.

Assim como explica Lama Gangchen Rinpoche em seu livro Autocura Tântrica III (Ed. Gaia): Quando usamos o termo 'secreto' não queremos dizer que as palavras, melodias ou explicações sejam secretas. Todos os tibetanos podem ir a uma livraria e comprar livros sobre todos os assuntos mais incríveis e secretos do Tantra tibetano. 'Secreto' significa que é necessária uma transmissão de coração para coração para que as instruções funcionem. A experiência interna que cada um tem é secreta, pois é uma experiência meditativa, e quando nos dirigimos às pessoas que não a tiveram, podemos apenas sugeri-la por meio de palavras. ’Secreto‘ significa que a mente não tem forma e que, portanto, é muito difícil expor uma experiência mental. Tradicionalmente, todos os meditadores tântricos mantinham secretos os resultados de suas práticas, contando-os apenas aos seus melhores amigos, para assim guardar sua energia interna. Como resultado, tudo que eles desejavam fazer com a mente (desenvolver a compaixão, a experiência da vacuidade ou a Iluminação) sempre dava certo. Esse é o motivo por que aconteciam tantos milagres e experiências especiais no início das linhagens tântricas: os meditadores sabiam muito bem como cuidar de sua preciosa energia mental interna.

A força do poder de cura de um mantra depende também da clareza de intenções daquele que o recita. A qualidade da motivação de quem recita um mantra revela seu desenvolvimento espiritual.

Uma pessoa pode recitar mantras para adquirir bens materiais e poder pessoal. No entanto, sua força será muito maior quando ela o recitar para desenvolver compaixão e amor, porque esta é a força original do mantra. Desta forma, ele estará em sintonia com a força secreta do mantra.

Durante séculos, os mantras têm sido usados na prática espiritual para enfocar e transformar a energia sutil.

As energias curativas despertadas pelo som do mantra são inerentes à psique. Na tradição budista, estas forças positivas são caracterizadas como divindades: manifestações de uma força transformadora que se encontra em nossa mente.

Um mantra que gosto muito de recitar é o mantra de Tara Verde: OM TARE TUTARE TURE SOHA
Em tibetano, Tara é conhecida como Drolma, a Salvadora, pois ela é a manifestação da energia feminina da mente iluminada: a sabedoria.

Tara Verde é a energia feminina da intuição, da criação. Ao desenvolver essa energia dentro de nós, teremos mais vitalidade e disposição para realizar nossos projetos de vida, pois Tara elimina os obstáculos mentais criados pelo medo e pela preguiça. A energia de Tara nos ajuda a colocar velozmente as idéias em ação.

Uma idéia não colocada em prática é apenas um pensamento. Quando colocamos nossas idéias em ação, damos vida e energia para os nossos pensamentos.

Recitar o seu mantra nos ajuda a eliminar as interferências internas como medo e ressentimento. Traz proteção, fé e coragem.

OM significa os sagrados corpo, fala e mente de Tara.
TARE Aquela que liberta do sofrimento verdadeiro.
TUTTARE que elimina todos os medos.
TURE que concede todo o sucesso.
SOHA significa possa o significado do mantra enraizar-se em minha mente.

A prática de recitar mantras é especialmente valiosa nos dias de hoje, porque é simples e direta. Tudo o que precisamos fazer é relaxar o máximo possível enquanto repetimos ritmicamente as sílabas do mantra, em voz alta ou silenciosamente.

Meditação simplificada da divindade Tara Verde
Inicialmente, foque seu problema e peça clareza à Tara Verde. Peça para que você e todos os seres reconheçam a natureza verdadeira de si mesmos, e que o sofrimento do medo se extinga.

Visualize, então, Tara Verde sendo manifestada por uma forte luz Verde Esmeralda, logo à sua frente, enquanto recita o mantra de Tara Verde: OM TARE TUTTARE TURE SOHA. Você pode cantá-lo ou recitá-lo.

Conforme você se concentra em seus pedidos à Tara Verde, visualize a luz à sua frente se intensificando, penetrando no topo de sua cabeça e preenchendo seu corpo de luz verde, purificando suas dúvidas e medos, realizando seus pedidos.

Quando se sentir calmo e seguro, visualize esta forte luz verde, a manifestação da energia de Tara Verde, descendo agora pelo topo de sua cabeça, passando pela garganta, até fundir-se no interior de seu coração. Assim, a sua mente e a de Tara Verde estão em união. Permaneça nesse estado o tempo que puder, cultive o sentimento de confiança de que sua meditação foi realizada com sucesso.

Então, para finalizar, dedique essa energia à longa vida de seu mestre e a todos os que necessitam da energia positiva que você acumulou por meio de sua motivação e concentração ao fazer esta meditação.



Bel Cesar é psicóloga, pratica a psicoterapia sob a perspectiva do Budismo Tibetano desde 1990. Dedica-se ao tratamento do estresse traumático com os métodos de S.E.® - Somatic Experiencing (Experiência Somática) e de EMDR (Dessensibilização e Reprocessamento através de Movimentos Oculares). Desde 1991, dedica-se ao acompanhamento daqueles que enfrentam a morte. Autora dos livros Viagem Interior ao Tibete, Morrer não se improvisa, O livro das Emoções, Mania de sofrer e recentemente O sutil desequilíbrio do estresse, todos pela editora Gaia.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Só o bem é real





Não importa o que aconteça, esteja sempre do seu lado. Seja o bom amigo que é para os outros, mas dessa vez pra ti mesmo. Se acolha com carinho, converse com a vida. Diga à ela tudo que vem do coração, coloque-se no fluxo para que a Vida lhe mostre lheu lugar, seu emprego, sua realização e satisfação! Com você contente, o mundo se alegra com sua luz de contentamento, você irradia paz e amor. Não se importe com a realidade a sua volta, ou como ela se mostra. Importe-se com sua verdade interior, que move tudo, que transforma tudo.
Anderson Clayton

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Conviva melhor com seu parceiro



Mulher adora conversar! Mas, se você quer mesmo desvendar os pensamentos e emoções de seu parceiro, jamais proponha esse “papo cabeça” na hora da intimidade. Depois de fazer amor, então, nem pensar! Pôxa, esse é um momento de introspecção espiritual em que o homem dá uma descansadinha. Não, não é sacanagem. É simplesmente hormonal. Não caia na besteira de tocar em

assuntos delicados. Esse não é o momento, entende?

A melhor hora para pegá-lo de jeito é na cozinha. Faça uma comidinha ou proponha que ele mesmo coloque a mão na massa. Aí, sim, arrisque aquela conversa. Tudo o que envolve alimentação significa aconchego na percepção masculina. Por isso, nesse momento ele está mais aberto para ouvir. Juntos, vocês vão cozinhando e trocando ideias. Fica aí a dica.


Um dos maiores erros em um relacionamento é a cobrança. Não vá você querer controlar, disputar, brigar. Se você fica em cima, cobrando o tempo todo, por certo o resultado não será o mais promissor. Ele escuta as cobranças como uma condenação, que, por sua vez, afeta o seu senso de domínio. Ou seja, você vai puxar o pior dele. E quer saber? Quem cobra é porque não se dá.


Homem não cura carência de mulher. Tenha em mente que um parceiro é para complementar, não para preencher o vazio. Chega dessa dependência. Valorize-se! Essa é outra regra importante para não perdê-lo. Ora, assim como você gosta de um homem bacana, ele busca uma grande mulher. Quer ter ao lado alguém que se imponha e se respeite.


E lembre-se: apesar de o homem sentir atração pelo corpo feminino, não serão mechas e luzes no cabelo, bunda sarada ou peito siliconado que vão conquistá-lo. O que rege essa atração é a energia que existe na mulher. Sexualidade é energia. Quando a mulher está bem com ela mesma, fica atraente e fisga o homem naturalmente. É uma pena que muitas não conseguem manter essa chama acesa: engordam, se escondem. Ou assumem, depois da maternidade, o personagem “mãe” por completo e apagam a parte mulher. Que erro! Isso acaba com qualquer relacionamento.


Por isso, antes de reclamar do sexo oposto, pare, observe e analise. A solução pode estar nas suas mãos!


Luiz Gasparetto.

Faça dar certo, métodos para uma vida plena!


quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Como Vencer a Obsessão Mental - Valcapelli

Como Vencer a Obsessão Mental - Valcapelli

Você está desesperado para sair do desespero, não é por aí!
Não se combate a aflição ficando aflito.

Não queira brigar com os pensamentos, faça amizade com sua mente. Cada toque que ela der do tipo: "é tarde, vamos sair logo senão eu vou atrasar", você responde a ela: "obrigado por ter me lembrado, agora eu estou escolhendo a roupa que vou vestir". Envolva-se com a tarefa presente, curta as tonalidades de cores que você tem no guarda roupa, procure observar com qual cor você se sente bem, depois de escolher, diga a si mesmo: vou ficar lindo com essa roupa. Aí, vem a mente com mais um alerta: "corre senão você não vai chegar a tempo". Você responde: "é mesmo, obrigado por me lembrar". Nesse momento, nada de ficar pensando o que pode acontecer se você não conseguir chegar no horário, pois, se fizer isso, você já embarcou na mente e deixou de sentir o momento. Tome seu banho, aceleradinho claro, afinal, você não dispõe de muito tempo, a mente tem razão no que lhe disse. Durante o banho, não fique esbaforido pensando naquilo que você tem por fazer, olhe para o seu chuveiro, sinta a água quente banhando seu corpo, vista-se e saia.


Durante o caminho, procure observar por onde você está passando. Lá vem a mente outra vez, dando o seu alarde: "olha que horas são, você não vai conseguir chegar a tempo, vai perder essa oportunidade, tinha que tomar banho, ficar enrolando para sair, agora que desculpa vai dar para justificar o atraso". "Tudo bem, se não der certo dessa vez eu volto em outra oportunidade, fiz o que podia para estar aqui, depois eu vejo o que for necessário, mas quando eu chegar lá; agora não, eu ainda estou no caminho".

A mente nos arrasta para o passado ou nos lança para o futuro. Para não entrarmos na dela é preciso interagir com a realidade, curtir o presente, envolver-se com as situações que estão a nossa volta, esse é o primeiro passo para a reformulação interior.


Não há uma poção mágica para calar a mente, nem podemos fazer isso, é graças a ela que conseguimos nos situar no tempo e no espaço. A função da mente é nos servir, dando-nos os referenciais para lidarmos com as situações da vida e sermos bem sucedidos na realidade.


No entanto, quando sufocamos nossa expressão, querendo fazer tudo certinho para não dar nenhum fora, elegemos a mente para escolher e decidir por nós. Com o tempo, nos arrependemos amargamente, pois ela não se cala mais, fica ditando as regras, condenando os passos que não foram bem dados durante o dia, e assim por diante.


A primeira coisa que é massacrada por esse domínio da mente são os nossos sentimentos. Eles são os maiores inimigos da mente, talvez seja por isso que ela imediatamente os sufoca, pois, quando sentimos algo, deixamos a mente de lado: ela passa a ser meramente uma assistente daquilo que sentimos.


Assim, portanto, o segundo passo para resgatar seu poder de escolher os próprios pensamentos é manifestar aquilo que você sente.


A gente não consegue de imediato amar tudo e todos. Se fossemos capazes de alcançar esse estado a cada instante da vida, seriamos seres ascensionados. O que conseguimos fazer é curtir cada instante da nossa vida, apreciar as coisas que nos cercam, sem julgar nada; só observar com imparcialidade, pois se você começa a fazer julgamentos, a condenar ou a criticar, você permite que a mente invada seu ser naquele momento, sufocando a apreciação das situações da vida e as sensações causadas por aquilo que você vive naquele momento.


Não espere que logo depois de ler este texto, você se torne senhor absoluto de seus pensamentos. É uma questão de reeducação comportamental, exercício constante de observação do seu estado interior, perante a realidade a sua volta.


Que passo a passo você vá se tornando cada vez mais quem você é. Você é capaz disso, é só uma questão de tempo para você se reequilibrar. Faça o que for necessário e o que foi apontado aqui, abaixe a ansiedade e saiba dar tempo ao tempo.


Valcapelli

Psicólogo, Metafísico e Cromoterapeuta
http://www.valcapelli.com